HOMEPAGE

A minha análise sobre tudo, mas mesmo tudo, o que se passou no congresso do PSD
Publicado em: 23 Fev, 2014
Partilhar: Partilhar no Twitter

Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo.  Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.Marcelo. Marcelo. Marcelo.

 

marcelotaxi

Vou para Belém. Quem quer entrar?

 

 









2 comentários a “A minha análise sobre tudo, mas mesmo tudo, o que se passou no congresso do PSD

  1. Helder Paraná Do Coutto

    Giro, muito giro sua perspectiva…Vou enviar-lhe a minha também publicada:
    Marcelo Rebelo de Sousa, a dimensão humana.
    Marcelo repôs-se como candidato à Presidência da República com o apoio do PSD.

    Tendo pensado bem que a sua candidatura, por todo seu passado, só fazia sentido com o apoio explícito do PSD, apoio este que lhe tinha sido retirado pelas declarações do presidente do seu Partido, Pedro Passos Coelho, em Janeiro próximo passado, o Professor resolveu ir dar a volta, e deu-a.

    Sabedor de que o confronto ao qual também não se podia ter furtado, e, como deixei aqui comentado no artigo intitulado: O Presidente Marcelo II – não se catuca onça com vara curta, era-lhe inevitável, fê-lo destemidamente, sobretudo consciente do poder com que se defrontava (o de Presidente de seu Partido e Primeiro Ministro) não temendo o confronto, entretanto, por outro lado, consciente de que a conciliação era o melhor caminho, e que necessita de seu Partido para ser candidato, coisa que deixou patente ao dizer que não era candidato, que o só poderia ser, nessas condições (sem o apoio do partido) por masoquismo ou por uma razão impensada, quando da análise feita no seu comentário dominical na sucessão dos fatos que o haviam excluído, deixando-o sem as condições misteres; ficando claro que teria de reconquistá-las.

    A oportunidade em reconciliar-se ofereceu-se no momento emocional de um Congresso do Partido, em que se comemoram seus quarenta anos e recordam esta sua história, e, ninguém melhor que o Professor, história viva, fundador e ainda ativo, para a reviver, mais que a recordar como os demais, pelas condições exepcionais que reúne na sua pessoa. E assim o fez.

    Para uma plateia prisioneira de seu charme e carisma, num momento de que o que mais precisava o Partido e seu Presidente era unidade, esmagados pela política irracional que implementam, que, como tudo, tem muito de impraticável como de necessário, repito no momento em que Passos Coelho e PSD precisavam de uma imagem de unidade, sonegada pelos grandes Senadores do Partido por não aceitarem a atual política do governo, da qual quase todo mundo, inclusive o Professor Marcelo Rebelo de Sousa, discorda, e também quando o secretário geral do PS aproveitando desta fragilidade atacava firmemente o Primeiro Ministro para livrar-se de qualquer acordo com a maioria; porém, repito uma vez mais, neste momento em que necessitavam, como do pão para a boca, desta imagem de coesão, o Professor foi lá oferecê-la, e para mais ofereceu o pescoço de Antônio José Seguro numa bandeja, para com isto reconquistar o Partido, seu Presidente incluído, e desta forma relançar-se de forma inquestionável como candidato a Presidente da República Portuguesa, com o apoio do PSD, apoio que após este discurso ninguém terá a coragem de negá-lo. Brilhante, simplesmente brilhante!

    Entretanto este era o conteúdo. Incontornável é verdade, mas não podia falhar na forma para não dar ideia errada, para não turbar ou comprometer sua intenção, sobretudo sem revelá-la e ao mesmo tempo sem mascará-la. Era, certamente, uma situação que requeria exatidão milimétrica, exigia precisão vernacular, impunha verve com o tempero de desarmar desde logo qualquer ânimo adverso, sobretudo o do Presidente do Partido, sem mostrar-se subserviente. Difícil tarefa, sobretudo sem desdizer nada do que já havia dito contra as políticas do governo, recolocar-se no horizonte das candidaturas, sem fazer-se candidato, posto que é demasiado prematuro, porém sem deixar lugar a outra candidatura, com ou sem Passos Coelho como Presidente do partido na oportunidade em que as eleições presidenciais vierem-se a verificar.

    E assim fez. Com a medida exata, com a graça necessária, com os contornos adequados, com a capacidade de improviso, regendo a sua própria locução bem como a platéia, dizendo-lhes quando ou não aplaudí-lo (quase insólito, mas assim foi) assumindo uma portuguesidade profunda para compor o ‘tom e o como’ necessários à uma identificação total, gerando com tudo isto a sintonia desejável, e trazendo a matéria mais em falta neste Partido e neste Governo, para que uma sintonia mais geral soe credível ao eleitorado, para que esta outra sintonia (do partido e do governo) como sinfonia, possa alcançar e seduzir esse eleitorado que é sempre mais sensível a esta matéria, a esta condição, tão em falta nesta governação: a da dimensão humana, na qual o Professor Marcelo é mestre.

    Atenciosamente,
    Helder Paraná Do Coutto.

    Responder

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Current ye@r *