HOMEPAGE

Inquéritos Pedantes a Pessoas (fascinantes) – Nuno Eiró
Publicado em: 11 Dez, 2013
Partilhar: Partilhar no Twitter

freud

A resposta de Nuno Eiró quando o contactei, via email, no sentido de responder ao Inquérito Pedante: “Fernando, venha de lá esse inquérito… Vamos poupar-lhe o tempo e o dinheiro e a maçada de ter que fazer análise e ainda para mais, com os tempos de crise que vivemos , ter que a fazer deitado num divã da Moviflor, que não ajudaria nada à recuperação ! Vamos a isso!”. Então vamos lá, Nuno!

 

Na sua obra, Sigmund Freud fala em duas pulsões que estão permanentemente em conflito no cérebro humano: Eros, uma pulsão de carácter sexual que nos empurra para a vida e para o prazer; e Tanatos, a pulsão da morte que nos arrasta para a auto-destruição. Qual delas é mais presente em si?

O Nome não engana: Nuno E(i)RO. 2-Certamente a única pessoa a ganhar seria o psicanalista, acho que Manuel Maria Carrilho já não tem salvação possível.

Já que falamos de Freud, acha ou não que Manuel Maria Carrilho teria claramente algo a ganhar se fizesse psicanálise?

Certamente a única pessoa a ganhar seria o psicanalista, acho que Manuel Maria Carrilho já não tem salvação possível.

 

freud1

 

Concorda com Aristóteles quando ele diz que “o prazer no trabalho aperfeiçoa a obra”?

Claramente, e diria mais, quanto melhor a obra menos trabalho dá o prazer.

Comente a seguinte frase de Vinicius de Moraes: “As feias que me perdoem mas a beleza é fundamental”.

Retribuo com o seguinte pensamento….O frigorífico é o ÚNICO exemplo de que o que realmente conta é o interior.

Óscar Wilde defendia que o mérito de alguém pode ser medido através do número de pessoas que a invejam. Concorda com a formulação? Em que medida pode ela aplicar-se a si?

Percebo a ideia e em parte concordo…mas prefiro acreditar que o mérito de alguém pode ser medido através do número de pessoas que o aplaudem, apoiam e acarinham. No meu caso, não precisam ser muitas pessoas, precisam ser as pessoas certas!

 

oscar

 

Considera ou não que a luxúria é um pecado capital excessivamente valorizado?

Não concordo que a luxúria seja um pecado capital.

Que leitura de Inverno sugere aos seus inimigos? 

Murakami…desde a trilogia de “1Q84”, a “Kafka à beira mar” ou “Sono”. ” Os meus sentimentos” de Dulce Maria Cardoso ou o desconcertante e avassalador ” O quarto de Jack” de Emma Donoghue.

Em teoria, se tivesse de escolher entre trabalhar num filme com Luchino Visconti ou Steven Spielberg, optaria pelo neo-realismo do primeiro ou pela loucura criativa do segundo? Porquê?

Para ser neo-realista há que perceber e aceitar que um Spielberg acrescenta mais “zeros” à conta bancária…. já nos basta a ginástica que se tem que fazer para pagar a loucura criativa dos sucessivos governos desde o cavaquismo…

Acha ou não que o cinema pornográfico é injustamente ignorado pela crítica especializada?

Acho. É só injusto não valorizar actores com tanto talento ( medido em centímetros ou mililitros de silicone) que se entregam de corpo e ….corpo a tão nobre e difícil missão de levantar a moral do seu público. Para além disso, choca-me que se subvalorize a profundidade dos textos e da narrativa. Acho mal, pronto!

 

 

eiro1

A nossa pessoa (fascinante)

 









Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Current ye@r *