HOMEPAGE

Os bastidores das minhas notícias – VI
Publicado em: 28 Jan, 2013
Partilhar: Partilhar no Twitter

 

correia

 

Correia de Campos é o anti-político. Ele grita. Vocifera. Parte cadeiras em hospitais perante uma multidão. É o terror para qualquer assessor de comunicação e um rebuçado para todos os jornalistas. Fiz muitas notícias inspiradas nele, nos seus comportamentos e decisões durante os períodos em que desempenhou o cargo de ministro da Saúde.

Primeiro no governo de António Guterres, depois no de José Sócrates, Correia de Campos desempenhou sempre o papel de incendiário de serviço. Era ele de um lado a lançar as bombas e Jorge Coelho ou Pedro Silva Pereira do outro com o extintor na mão.

campos2

O fatinho de enfermeira até não lhe fica mal

Fiz algumas manchetes no Independente à conta dos deslizes do ministro, com quem tinha e tenho excelente relação pessoal. Ele costumava dizer-me que eu era o amigo mais inimigo que tinha. E era bem verdade. Independentemente das várias partidas que lhe preguei, é justo dizer que, ao contrário do que aconteceu com outros políticos, Correia de Campos – que considero o melhor ministro da Saúde desde António Arnaut – nunca deixou de me falar civilizadamente. E de me sorrir. Compreende como poucos as regras do jogo democrático. E isso só lhe fica bem.

campos1

Claro que sim: a imprensa é muita estúpida

A história desta manchete é simples: um belo dia, Correia de Campos acordou com ainda menos paciência do que era costume. Confrontado com uma disputa regional (no Algarve) a propósito do programa de redução das listas de espera para cirurgia, perdeu a cabeça e assinou um despacho incendiário dirigido ao governador civil de Faro. Entre outras coisas, qualificava o seu Ministério como “um marasmo”.

O ministro da Saúde estaria certamente convicto de que a sua mais recente criação ficaria no segredo dos deuses. Era uma coisa entre si e o governador civil. Esqueceu-se de olhar para o lado, que é onde estão os nossos maiores inimigos. A verdade é que pouco tempo depois daquele dia fatídico chegava à redacção do Indpendente uma carta anónima dirigida a mim.









Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Current ye@r *

Páginas: 1 2